Carlyle

A casa é iluminada e espaçosa; mas é um lugar silencioso, que demanda muita imaginação para que se possa vê-lo com vida novamente – para isso, deve-se mostrá-lo com todas as pequenas e astutas “artimanhas” de que ela fazia uso; e ver, de alguma forma, a figura comprida e lúgubre dele, inclinando-se ou recostando-se, com o cachimbo na mão, e escutar conversas irrompendo, tudo com o sotaque escocês; e a profunda gargalhada. Mrs. Carlyle, suponho eu, sentava-se ereta, mas muito frágil, divertida, mas crítica também – narrando o seu dia, e sendo agradável com alguma “admiradora” em uma ou duas frases. – Virginia Woolf: A Casa de Carlyle e Outros Esboços (organização, introdução e notas de David Bradshaw)

Helen Allingham's 1879 painting of Carlyle

Helen Allingham’s 1879 painting of Carlyle

Esboços do noviciado de Woolf

Esboços do noviciado de uma escritora

Anúncios