NEIL GAIMAN NA FLIP

E não é que o homem tava na área?

Nem tomei conhecimento e levei um susto quando vi o cara na GloboNews sendo entrevistado pelo Edney Silvestre.

Acho que é porque nunca posso ir à Flip mesmo, então nem me ligo de buscar informações do evento. Mas ficar sem saber que o cara veio ao país foi fffflórida. Podia atualizar minha pilha Neil Gaiman com novos autografozinhos no Neverwhere, Coisas Frágeis (que estou lendo) etc.

Ele atualiza o diário do site direto com as novidades da viagem ao Brasil (www.neilgaiman.com). Vale conferir!

 

Neil Gaiman observa escultura de um Curupira na FLIP (foto de Ana Ottoni/UOL)

Neil Gaiman observa escultura de um Curupira na FLIP (foto de Ana Ottoni/UOL)

 

Essa foto está no álbum de imagens da FLIP no UOL. Aliás é lá que tem um especial da FLIP, que parece ser o site oficial do evento. Tem matérias com o Gaiman e outros autores participantes.

Detalhe legal da entrevista na GloboNews foi ele comparando o filme Stardust com o livro. “O livro é delicado como uma asa de borboleta,” diz ele. Enquanto que o filme “is huge”, forte como a asa de um cisne.

E ilustrando essa parte da entrevista, eles exibem justamente o famigerada seqüência do Dustan na feira das fadas. Para mim, nesse momento a borboletinha foi espetada na parede por um gigante.

 

Achei dois vídeos no G1

Entrevista no Espaço Aberto 

E essa do Jornal da Globo 

 

Anúncios

Stardust

StardustSTARDUST – O Desejo do Coração

Outubro 2007

Você leitor verá que não tenho como disfarçar que o Neil Gaiman é meu autor favorito do momento.

Mas vamos ao filme.

Bom.. prefiro o livro. Mas o filme é divertido. Já até assisti de novo em DVD. Embora mantenha a atmosfera de conto de fadas, o ritmo do filme perde muito da qualidade meio poética, meio onírica do livro do Gaiman. É o tempo do escritor que não teve como ser representado em filme. Mesmo com a voz poderosa do Ian Mckellen como narrador. 

“Certa vez, existiu um jovem que queria conquistar o Desejo de Seu Coração.”  Essa é a frase que inicia o livro. E, em si, ela carrega um mistério, uma idéia que intriga, mas que ao mesmo tempo não precisa de explicação. Desejo, Coração… O subtítulo do filme no Brasil é O Mistério da Estrela. Porém o mistério, a sutileza, a poesia, as filigranas delicadas de beleza do livro não tiveram chance alguma. Mas é como se diz por aí: livro e cinema são experiências muito diferentes.

Achei meio feia aquela sequência do encontro do Dunstan, pai do Tristan (ou seria Tristran), com a moça misteriosa, prisioneira de uma bruxa, na feira do mundo das fadas. No livro é tão bonito, mas no filme ficou um clima meio de “sacanagem” muito estranho. A necessidade do cinema de passar uma idéia condensada em segundos, às vezes é um saco. Acaba escorregando pro lado do mau gosto e vulgaridade.

Stardust

Neil Gaiman and Charles Vess: Stardust

Essa foi a única nota realmente triste na transcrição para o cinema.  No mais, é divertido, tem ótimos atores, a direção de arte é belíssima. É um belo filme de aventura, romance e fantasia. No DVD tem um making-of (eu e minha mania com extras de DVDs) muito legal. O vestido da Yvaine era para ter um efeito de fluidez, como se fosse líquido. E não é que conseguiram! E tem o Neil Gaiman visitando o set de filmagem com o cenário do barco voador do capitão Shakespeare (aliás é a grande supresa do filme, a visão totalmente inesperada que deram ao personagem do de Niro… só vendo.). Gaiman passeia pelo set e pede desculpas pelo trabalho que estava dando para equipe construir um barco, que foi imaginado e descrito por ele no livro em poucos segundos. Ele tem umas idéias engraçadas em qualquer situação. Mas é verdade, né? O que um escritor ou roteirista descreve em uma linha pode custar o trabalho de uma equipe enorme, muitos recursos materiais e incontáveis terabytes de memória de computadores para a realização em um filme.

 

PS: Tinha uma dúvida até hoje, desde quando li o livro. O nome do cara é Tristan ou TristRan? No livro editado pela Conrad, é Tristran (com o R na segunda sílaba). Fiquei achando que era um erro de revisão da edição brasileira. E no filme, o nome é Tristan. Mas pelo que vi hoje na Amazon, é Tristran mesmo. (31/05/2008).

 

* Recomendações Top3

1) Livro Neil Gaiman & Charles Vess – Stardust

2) Filme Stardust

3) HQ série Neil Gaiman – Sandman”