Copiosas e bem preciosas eram elas

Nessa semana ocupei-me em documentar e empacotar as relíquias menores que destinava à tia Patrocínio. Copiosas e bem preciosas eram elas – e com devotíssimo lustre brilhariam no tesouro da mais orgulhosa sé! Além das que Sião importa de Marselha em caixotes – rosários, bentinhos, medalhas, escapulários; além das que fornecem no Santo Sepulcro os vendilhões – frascos de água do Jordão, pedrinhas da Via Dolorosa, azeitonas do monte Olivete, conchas do lago de Genesaré – eu levava-lhe outras raras, peregrinas, inéditas… Era uma tabuinha aplainada por S. José; duas palhinhas do curral onde nasceu o Senhor; um bocadinho do cântaro com que a Virgem ia à fonte; uma ferradura do burrinho em que fugiu a Santa Família para a terra do Egito; e um prego torto e ferrugento…

— Eça de Queirós: A Relíquia

ocupei-me em documentar e empacotar as relíquias menores que destinava à tia Patrocínio

Da edição de A RELÍQUIA ilustrada por Rui Campos Matos.

“Mó viagem” de Rapozão

“Mó viagem” de Rapozão