mûmak! mûmak!

Para seu assombro, terror e enorme prazer, Sam viu um vulto enorme romper dentre as árvores e vir descendo a encosta. Grande como uma casa, muito maior que uma casa, pareceu-lhe, uma colina móvel revestida de cinza.

J. R .R. Tolkien: O Senhor dos Anéis – As Duas Torres – Livro IV

Capítulo 4 – De ervas e coelho cozido

Tradução de Lenita Maria Rimoli Esteves e Almiro Pisetta

ninguém podia passar pelos Dentes de Mordor

Através da abertura da passagem, de penhasco a penhasco, o Senhor do Escuro construíra um baluarte de pedra. Nele se erguia um único portão de ferro, e na parte superior sentinelas andavam continuamente. Sob as colinas, de cada um dos lados, a rocha fora perfurada com uma centena de cavernas e buracos de vermes: ali uma tropa de orcs espreitava, pronta para a qualquer sinal avançar como formigas negras indo à guerra. Ninguém podia passar pelos Dentes de Mordor sem sentir sua mordida, a não ser que fosse chamado por Sauron, ou soubesse as senhas secretas que abriam Morannon, o portão negro da sua terra.

http://www.flickr.com/photos/grimages/5502274812/

J. R .R. Tolkien: O Senhor dos Anéis – As Duas Torres – Livro IV

Capítulo 3 – O Portão Negro está fechado

Tradução de Lenita Maria Rimoli Esteves e Almiro Pisetta

só quero que me deixe pegar meu peixe

Como é bom vê-lo!

Só quero que me deixe

Pegar meu peixe,

e depois comê-lo!

J. R .R. Tolkien: O Senhor dos Anéis – As Duas Torres – Livro IV

Capítulo 2 – A passagem dos pântanos

Tradução de Lenita Maria Rimoli Esteves e Almiro Pisetta

pode dar-lhes vida?

Muitos que vivem merecem morrer. E alguns que merecem viver morrem. Você pode dar-lhes vida? Então não seja tão ávido para condenar à morte em nome da justiça, temendo por sua própria segurança. Nem mesmo os sábios conseguem ver os dois lados.

J. R .R. Tolkien: O Senhor dos Anéis – As Duas Torres – Livro IV

Capítulo 1 – Sméagol domado

Tradução de Lenita Maria Rimoli Esteves e Almiro Pisetta

com o luar reluzindo sobre a superfície

Primeiro o globo estava escuro, completamente negro, com o luar reluzindo sobre a superfície. Então apareceu um brilho fraco pulsando no centro dele, que prendia seus olhos, de modo que agora Pippin não conseguia desviar o olhar. Logo todo o interior parecia estar em chamas; a bola estava girando, ou as luzes lá dentro estavam virando. De repente se apagaram. 

J. R .R. Tolkien: O Senhor dos Anéis – As Duas Torres – Livro III

Capítulo 11 – O “palantir”

Tradução de Lenita Maria Rimoli Esteves e Almiro Pisetta

suave e melodiosa, seu próprio som um encantamento

De repente, uma outra voz falou, suave e melodiosa, seu próprio som um encantamento. As pessoas que escutavam aquela voz desavisadamente mal conseguiam depois reportar as palavras que tinham ouvido; e quando conseguiam titubeavam, pois pouca força restava nelas. A maior parte do que conseguiam lembrar era o prazer que sentiram ao ouvir a voz falando, e que tudo o que ela dissera parecera sábio e razoável, despertando neles um desejo de, mediante um acordo rápido, parecerem sábios também.

J. R .R. Tolkien: O Senhor dos Anéis – As Duas Torres – Livro III

Capítulo 10 – A voz de Saruman

Tradução de Lenita Maria Rimoli Esteves e Almiro Pisetta

um bosque com grandes árvores tateando à sua volta

Há um grande poder neles, e parece que têm a capacidade de se ocultar nas sombras: é difícil vê-los se movendo. Mas eles se movem.  Podem andar muito rápido, se estiverem furiosos. Você fica parado olhando para o tempo, talvez, ou ouvindo o farfalhar das folhas, e de repente descobre que está no meio de um bosque com grandes árvores tateando à sua volta.

J. R .R. Tolkien: O Senhor dos Anéis – As Duas Torres – Livro III

Capítulo 9 – Escombros e destroços

Tradução de Lenita Maria Rimoli Esteves e Almiro Pisetta