Um círculo vicioso

O abismo entre as novas exigências e as velhas regras organizacionais, de fato, desconta-se em termos de desmotivação, dando vida a um círculo vicioso: quanto mais a organização tem necessidade de criatividade difundida, para responder com presteza às necessidades e aos valores emergentes do mercado e do sistema social, mais deve dispor de pessoal motivado. Porém, quanto mais a organização fica ligada aos velhos métodos baseados no controle, na vigilância e na disciplina, mais provoca efeitos desmotivadores nos seus “dependentes”. A tudo isso acrescente-se que a flutuação cada vez mais caprichosa dos mercados globais reduz, dia-a-dia, a segurança ocupacional dos trabalhadores, atirando-os ao pânico. Em outras palavras, a organização cria barreiras à criatividade justamente agora, quando tem mais necessidade de ser criativa, voltando-se assim ao seu próprio insucesso.

— Domenico de Masi: Criatividade e Grupos Criativos – Capítulo 18 – Cultivar a Criatividade

barreiras à criatividade

barreiras à criatividade

 

O grande desafio do século XXI

No estado atual, se é verdade que o comunismo perdeu, é também verdade que o capitalismo não venceu e que muitos dos seus problemas permanecem até agora sem solução. Entre eles, justamente, o problema da motivação ao trabalho intelectual: o grande desafio do século XXI.

— Domenico de Masi: Criatividade e Grupos Criativos – Capítulo 17 – Do Controle à Motivação

o problema da motivação ao trabalho intelectual

o problema da motivação ao trabalho intelectual

 

Gosto em conferir um sentido às coisas

Os seres humanos conservam durante toda a vida uma sadia e infantil necessidade de brincar, de fazer coisas sem outro objetivo senão o prazer de fazê-las. E, se bem cultivadas, as suas mentes adoram demorar-se no exercício do pensamento, na reflexão e no estudo; experimentam prazer em reportar acontecimentos humanos singelos para um quadro de referência intelectual mais vasto e mais profundo; tomam gosto em conferir um sentido às coisas.

— Domenico de Masi: Criatividade e Grupos Criativos – Capítulo 16 – Dois Modelos de Criatividade

fazer coisas sem outro objetivo senão o prazer de fazê-las

fazer coisas sem outro objetivo senão o prazer de fazê-las

Certeza de uma missão compartilhada

Obviamente, não basta colocar lado a lado mecanicamente pessoas imaginativas com pessoas concretas, nem é bastante fornecer-lhes um suporte tecnológico adequado: é preciso criar um clima de tolerância recíproca, estima e colaboração; reforçar esse clima, dando-lhe a certeza de uma missão compartilhada; torná-lo incandescente, graças a uma liderança carismática, capaz de derrubar as barreiras que bloqueiam a criatividade da equipe.

— Domenico de Masi: Criatividade e Grupos Criativos – Capítulo 15 – Criatividade e Grupos Criativos

é  preciso criar um clima de tolerância recíproca, estima e colaboração

clima de tolerância recíproca, estima e colaboração