Grã-fina


“Contou-me um milagre: – saíra um dia, com a mulher, na Mercedes. E a mulher fecha um ônibus, ou um ônibus fechou a mulher. O fato é que o motorista esbravejou: – “Vai lavar um tanque!”. Foi só. A mulher nada dissera. Fez o resto da viagem numa calma intensa, numa apaixonada serenidade. Acontece que, durante o dia, o marido precisou passar em casa. Pergunta à criada se a fulana está, estava. E ele descobriu a mulher no tanque, simplesmente no tanque, ensaboando roupa. O marido, no telefone, delira: – “O chofer estava com a razão”. O berro do motorista tocava uma verdade essencial e secretíssima. Era grã-fina, milionária, o diabo. Mas só se realizava no tanque.” — Nelson Rodrigues: Bochechas e Papadas (em “A Dama do Lotação e outros contos e crônicas).

Uma verdade essencial e secretíssima

Uma verdade essencial e secretíssima

 

nelson-rodrigues0002

a grã-fina de narinas de cadáver, as gordas patuscas machadianas e outros modelos (hoje) subversivos…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s